O Paradisíaco Delta do Parnaíba

setembro 3, 2012 Postado por
anaraquel

Foto destaque: ana-ge/Flickr

O Nordeste esconde tantas belezas naturais, que muitos turistas não têm idéia que a região apresenta muito mais do que um litoral exuberante. O Delta do Parnaíba, situado na divisa dos estados do Piauí e Maranhão, é um destes segredos que você descobrirá neste post.

O Delta do Parnaíba é uma raridade do nordeste brasileiro. Foto: Juju Nolasco/Flickr

O Delta do Parnaíba é um fenômeno natural quase raro; (há apenas outros três iguais no mundo) a foz do rio é formada por várias ramificações que terminam, curiosamente, no mar aberto. O que o torna tão único é que entre o rio, o mar e as dunas, pequenas ilhas fluviais guardam uma fauna e flora rica, cheia de mistérios e perfeição.

O mar salgado invadindo a terra e duelando com um rio doce compõe este paraíso nordestino descoberto quase ao acaso pelo navegador Nicolau Resende – que sem sorte perdeu o seu tesouro enquanto atravessava o delta, mas ganhou, assim como nós ganhamos, o prazer de ver um dos caprichos da majestosa natureza nordestina.

Como chegar

O Delta do Parnaíba é gigantesco, com 1.485 km de extensão, ele abrange uma área que faz limite com o Piauí e o Maranhão. Cidades de ambos estados dispõem de passeios até o Delta, porém, Parnaíba, no Piauí, é a localidade mais próxima dos afluentes e também a que oferece maior apoio aos turistas.

Você pode optar em viajar diretamente de avião para Parnaíba ou sair de carro de Teresina até a cidade – a distância entre elas é de 350 km. Se o Maranhão é a localidade mais próxima de você, então siga até o porto da cidade de Araioses, localizada a 477 km da capital, São Luís.

O que fazer

Prepare-se para o ecoturismo! O Delta do Parnaíba é uma coleção de programas ecológicos e, para descobrir todos os seus encantos, é preciso seguir até eles por barco. Dependendo do destino, a viagem pode durar até 4 horas e o turista precisa pagar uma taxa correspondente à preservação ambiental; o valor não ultrapassa 15 reais.

Durante o trajeto de barco, cenários exóticos aparecem no horizonte. Foto: deltafrut/Flickr

Quatro horas pode parecer muito, mas o passeio de barco não é exaustivo, pois o trajeto é surpreendente. As ilhas, com um verde intenso, brotam do rio e a curiosidade logo aparece para tentar desvendar quais animais são moradores daquela pequena floresta. A biodiversidade do Delta do Parnaíba é vista cada vez que o barco se aprofunda no rio; os animais selvagens convivem tranquilamente enquanto você é o intruso naquele cenário.

O primeiro passeio é para a Ilha do Caju. A paisagem é selvagem ao extremo, quase não há energia elétrica e a sensação é de se estar numa ilha perdida. Contudo, como o turismo já está presente no lugar, você poderá aproveitar os programas oferecidos pelos locais. Andar a cavalo pela praia de areia dourada, caminhar na areia fofa das dunas, fazer trekking e se banhar nas piscinas de água doce formadas como um oásis em meio ao deserto, todas atividades imperdíveis para qualquer visitante.

O mais interessante do Delta é a miscelânea da flora e fauna. Foto: deltafrut/Flickr

A maior ilha do arquipélago, a Ilha de Santa Isabel, fica mais próxima da cidade de Parnaíba e não tem tantas restrições de acesso como a Ilha do Caju. Na Ilha de Santa Isabel há atrações mais variadas; além da admirável beleza da fauna e flora local, vale à pena parar na Casa das Rendeiras, onde você poderá comprar as maravilhosas rendas nordestinas.

Durante a alta temporada as praias ganham mais visitantes, contudo as areias não ficam lotadas. Foto: Lucas Flavio/Flickr

 

Para se aventurar nas dunas e descobrir caminhos inexplorados é preciso conversar com os guias locais que o levarão a paisagens bucólicas intocáveis. Do azul das lagoas ao branco das dunas, a Ilha de Santa Isabel resguarda praias exóticas, onde o único som ouvido é dos pássaros e da água.

A Ilha das Canárias, um diminuto vilarejo de pescadores, é mais um local a ser explorado. Logo quando você chega à ilha já é possível reparar que o homem alterou a sua paisagem: a infraestrutura para o turista é maior e os programas podem ser feitos do raiar do dia até a escuridão noturna. Andar pelos povoados, prestar atenção nos animais que se penduram nas árvores e mergulhar no mar são atividades simples, porém inesquecíveis nesta ilha.

As lagoas de águas cristalinas escondidas entre as dunas. Foto: Flavio Freitas/Flickr

Para finalizar o tour ou até começá-lo, caso você tenha tomado como ponto de partida Araioses, no Maranhão, seguiremos para Tutóia.

Modesta em tamanho, Tutóia é a mescla da paisagem dos Lençóis maranhenses com os labirintos da rica flora do Delta do Parnaíba. A vastidão alva das dunas ganha tímidas cores com a água transparente dos lagos – que são preenchidos quando a água da chuva transforma a paisagem. As praias de Tutóia são pouco visitadas e a sensação de liberdade fica ainda maior quando podemos caminhar à vontade tendo como companhia apenas a natureza.

 

Você precisa saber

 

O calor é intenso na região, portanto leve o seu protetor solar e também um repelente. Antes de seguir para as ilhas, pergunte se há alguma restrição de entrada, pois a Ilha do Caju, por exemplo, só aceita visitante maiores de 15 anos.

Hospedagem

Em Parnaíba, você pode se hospedar no Delta Park Hotel, localizado às margens do Rio Iguaçu, ponto de partida para todas as atrações do Delta do Parnaíba. O hotel tem apartamentos para todos os bolsos e você também poderá aproveitar serviços exclusivos como pescaria e o píer de lanchas que saem diretamente para o Delta.

O que você achou do Delta do Parnaíba? Deixe o seu comentário!

Esse post foi escrito para o Blog da MalaPronta.com, hotéis no Brasil e no Mundo pelo menor preço!

Samantha

Samantha Alievi é jornalista e ama viajar (sem gastar muito), conhecer novos lugares e culturas. Se pudesse percorreria o mundo acompanhando o circuito de tênis e o circo da Fórmula 1. Suas principais áreas de interesse no jornalismo são o cultural, esportivo e o científico.

Comentários

Comente via Facebook
Comente via InteseDebate (0)

Deixe uma resposta